quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Onde iremos parar

Depois de mais um dia de estudo, trabalho e estudo e após uma feira de empreendedorismo, onde fiquei até as dez horas da noite apresentando o projeto RELIVRO, rumei para o ponto de ônibus, com o objetivo de seguir para casa, antes do fechamento do viaduto para obras do PAC. (A Rocinha seria fechada para o término das obras da passarela sobre a via).

Depois de esperar uns 40 minutos pelo ônibus, o mesmo veio lotado. Peguei, pois afinal era melhor seguir para casa do que esperar o ônibus vazio e sofrer um acréscimo de meia hora na minha viagem.

Ao chegar na Barra da Tijuca, a cena que relato a seguir fez com que eu fosse para casa pensando no que será o nosso futuro: - Havia um senhor sentado e o mesmo se levantou para descer. De pronto, chamei a senhora que estava em pé ao meu lado e apontei para ela o lugar vago; mas entre o tempo em que ela pensou no toque em seu ombro e visualizou o lugar, uma menina saiu rápida de onde estava e sentou-se no lugar.

Isso me fez pensar: - Onde iremos parar. Se hoje em dia você já entra no elevador e não dá Bom Dia, pega o ônibus e não cumprimenta nem o motorista, nem o cobrador, exige o trabalho da empregada e não se relaciona com ela, esquece que existem pessoas mais idosas que você e que fizeram para que você estivesse aqui.

Onde iremos parar. As pessoas não mais respeitam ninguém. Não existe mais respeito pelo próximo, muito menos compaixão. Os idosos continuam sem lugar para sentar nas conduções, e os culpados não são os jovens - mas sim os sem educação.

E aí, cada vez mais, acho que as coisas só vão mudar no Brasil, quando todos priorizarem a educação. Ela que é a base de tudo, a mola mestra.

Mesmo assim, ainda continuo com esperanças ...

domingo, 8 de novembro de 2009

O choro da Casa do Saber


Ninguém mais quer saber da Casa do Saber. Nem ela mesma quer saber de si. Depois de tantas decepções, ilusões e falsas promessas; ela, cansada de tudo isso, partiu para uma empreitada. Cansada, e sabendo que ninguém mais se interessa pelo seu Saber, preferiu se ausêntar, ignorar as buscas e procuras de alguns poucos, que insistem em aprender e decidiu que a partir de hoje, ela só irá dar (transmitir ou ensinar) aquilo que as pessoas buscarem.


Mas isso parece não incomodar aqueles que hoje habitam a tão importante Casa do Saber. Talvez eles nem mesmo saibam que ela possui esse nome. E como ela decidiu não mais ficar correndo atrás de ninguém e nem anúnciando aos quatro ventos os seus conhecimentos, daqui a pouco o único nome pelo qual ela será conhecida é de Universidade/Faculdade.


E isso muito me entristece. Se antigamente, mesmo com todas as dificuldades recorrentes, o conhecimento era passado oralmente; hoje, com todas as facilidades possíveis, o conhecimento fica limitado apenas as pessoas que buscam.


Na contramão de tudo isso, vemos cada vez mais oficinas abrirem as portas. Utilizando o antigo nome da Casa do Saber, esses pontos se proliferam como insetos, ou pragas e vão infestando nossa sociedade de locais onde deveriamos estudar, mas na verdade aprendemos a operar equipamentos.


A Casa do Saber chorou. Chorou de ver que ninguém se interessa mais em saber ... E frustrada com aqueles que não mais desejam saber, decidiu fechar as portas, se esconder, viver a reclusão, junto as montanhas, ao ermitão, reaprendendo a ensinar ...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Comunica Lula

Eu tenho um certo apreço pelo Lula. Sim, aquele Lula de 1989 e que está sendo recentemente retratado no filme: "Lula, O filho do Brasil". Na verdade, sinto saudades daquele cara de barba grande e de um dedo a menos, que tinha um discurso raivoso. Mas o Lula [pelo menos para mim] amansou. E é sobre isso que irei falar ...

Eu tenho minhas opiniões sobre o Lula e acredito que todo brasileiro deva ter. E isso faz com que eu guarde as minhas opiniões para mim, ou fale somente nos momentos em que estamos conversando sobre isso. Porém, da ultima eu não posso me ausentar de falar ....

Eis que ele quiz dar pitaco sobre o papel da comunicação (e infelizmente eu não sei ao certo o que ele falou, pois o papel que comunica - jornal - minha mãe fez o favor de jogar fora), mas ao fazê-lo, acho que foi longe demais.

E por isso queria dizer para ele: Lula, o papel do jornal (ou do jornalismo em geral) é de informar sim, e isso eu concordo. Mas é também de cobrar, de investigar, de transmitir e de examinar e muitos outros papeis, porque o jornal (na verdade a Comunicação Social) deve se preocupar com o povo e deve ser feita para o povo. E, é comunicando para o povo que tudo pega fogo ...

Estranho ouvir da sua boca essas palavras, uma vez que ao ser eleito, você foi ao povo, no jornal de maior audiência, para comunicar ao Brasil (sim, ele foi no mesmo veículo que em 1989 o prejudicou na edição do debate). Uns ainda acham que esse foi o sinal da rendição do poder ao governo de Lula, porém eu acredito que seja o rendimento dele ao poder da mídia.

E aí lhe pergunto: qual é, no momento atual, o atrelamento da mídia com o governo (poder)? Eu percebo uma enorme preocupação do governo, quando as mídias começam a investigar; mas as investigações só servem para enfraquecer aqueles que não os apoiam ....

E enquanto isso, vou tentando fazer comunicação para aqueles que querem sair da redoma ....

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Novo período ....

Depois de muito tempo parado, volto a escrever.

Para sinalizar esse momento mágico, onde voltarei a dialogar com aqueles poucos leitores que tenho, alterei inclusive o layout do meu blog, visto que eu já estava cansando daquele.

Tempo novo, vida nova, coisas novas para publicar ...

E domingo agora, texto novo para vocês. Agora não podem reclamar, a cada domingo um comentário sobre algo que me aflinge, aflingiu ou aflingirá.


Até ...

domingo, 19 de julho de 2009

Loucamente Sã

Era para ser mais um dia normal, o início do final de semana, e eu realizando minha rotina semanal.

O ônibus que tenho pego todos os dias é o de ar-condicionado (o que me faz gastar mais R$ 0,60), mas tudo bem, vou no geladinho, lendo meu livro e prestando atenção no que ocorre ao meu lado. E por isso pude observar bem o que lhes conto agora.

Sexta feira, último dia da semana, eu atrasado como sempre, sentado no banco da janela. Entretanto, algumas coisas diferentes me derem indícios de que ela não seria mais uma sexta, mas A sexta. E foi ...

O ônibus era diferente e tinham bancos antes da roleta. Geralmente não sento neles, porque eles são reservados as gestantes, aos idosos e outros, porém, como tinham mais bancos do que os de costume, fiquei por ali. Ele foi enchendo e muitas mulheres com crianças pequenas foram entrando. Além disso me chamar a atenção, o ocorrido dentro dele me fez refletir o que conto para vocês ...

Estavamos no meio da viagem, quando a passageira sentada no banco da frente disse:"- Estou abrindo uma excessão já". E eu, sem entender nada passei a observar para poder entender ...

A última das meninas que tinha entrado tinha dois filhos. Um dos filhos (o menor) ela colocou no colo. A outra, uma menina, sentou ao lado dessa senhora que disse estar fazendo uma excessão. A excessão a qual ela se referia, era colocar a filha dessa menina no colo, para dar lugar a um senhor com deficiência. Mas essa não foi a única excessão ...

Antes disso, ela já tinha gritado dentro do ônibus, para que as pessoas sentadas no local reservado a gestantes e idosos se levantassem e dessem lugar a duas senhoras que tinham entrado e mal conseguiam andar. Mas não parou por aí ...

Prestes a descer (ela na Av. Passos e eu nos Arcos da Lapa), ela fez a terceira ação: Gritar com o motorista que falava ao celular. Enquanto ele respondia tudo bem, ela falava alto, para que todos ouvissem o quão irresponsavel ele estava sendo, conduzindo mais de 100 pessoas, e falando ao mesmo tempo ao celular, talvez com sua "namorada", fazendo juras de amor.

Depois que ela desceu, todo o ônibus disse:"- essa mulher é louca, o que é que ela tem, ela é louca ..." entretanto, fiquei me perguntando:- Quem é louco afinal ?! Ela ou nós ?!

E ainda estou a refletir isso. Porque a loucura dele se resumiu a mostrar aos passageiros o quanto devemos ter de educação; a mãe das crianças, o quanto é dura a vida e não é sempre que as pessoas serão complacentes com ela; ao motorista, o quão errado ele estava ao dirigir e falar ao telefone.

E ao passo que todos a chamavam de maluca, eu percebia que ela era sã. Sim, muito sã, lutando pelos nossos direitos, direitos de todos os cidadãos. Malucos somos nós, que aceitamos conviver nesse mundo louco, ignorando nossos direitos, e aceitando tudo como paisagem.

Afinal, a paisagem em que você vive e aceita viver é tão bela quanto você desenha ?!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Para onde foi o Social ?!

Outro dia eu estava me questionando .....


Qual é o papel de um comunicador social ?! É claro que nenhum questionamento surge do nada e o meu surgiu ao perceber o seguinte: Minha irmã está se formando em Serviço Social. Ela será uma assistente social e irá ajudar a idosos (que é onde ela está trabalhando agora), mas na verdade o mote da profissão é ajudar, auxiliar a sociedade de um modo geral e as pessoas que estão desamparadas, necessitadas e precisam de um amparo.

Pois bem, saindo do Serviço Social, fui pensar nas outras profissões (cursos) em que o segundo termo é Social. Aí lembrei .... temos a Comunicação Social - mas ela é social de verdade !? E aí foi dificil responder a essa questão.... E trago essa indagação para vocês.

Hoje em dia o que vale na informação ?! A informação em questão ou o número que ela proporciona para a retransmissora em questão ?! Sim, porque o modo de transmitir a informação e a escolha de qual informação transmitir está diretamente atrelada a interesses e ao monstro atual da televisão brasileira que é o IBOPE.

Vejamos caso recente: Todos os jornais noticiaram a morte de um renomado artista internacional. Porém, pouco se fala da fome no nordeste, das cheias no Maranhão ou dos ventos do Sul. Pouco se noticia os escandalos nas casas de justiça e as atrocidades nos átrios da lei.

E isso não é só na TV. Nos jornais também é assim. Para ter mais venda, a matéria de capa é aquela, sensacionalista, para a venda de jornais. Na internet então, nem se fala.... E aí eu pergunto, para onde foi o Social ?!

Sim, porque a função social do comunicador (ou comunicólogo) acho que está indo para o espaço. E não é para perto, já que nossa próxima expedição será para Marte. Talvez seja para lá que esteja indo a função social do comunicador. Porque na TV não existe função social (seja ela de informação, de esclarecimento, de questionamento do que aconteçe nos dias atuais) que consiga vencer a guerra de egos existente na TV brasileira.

E, se algumas das melhores escolas do País (as que tiram A no Provão) tem um ensino que não valorize isso, que dirá as que tiram E. Mas para ter o social valorizado, não adianta somente um bom ensino, é preciso ter uma boa cultura ... Que se importe com os demais ...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Puta que lá merda

Palavrão !! Segundo o dicionário, palavrão pode ser tanto uma palavra grande, quanto obscenidade.


Hoje em dia, o palavrão deixou de ser uma obscenidade. Já é falado pelas crianças na rua, como se o mesmo fosse encontrado e aprendido a uma simples leitura no dicionário. Seja com o motorista de ônibus que parou fora do ponto, seja com o amigo do colégio que lhe tacou uma amêndoa, seja no momento que caiu uma chuva de surpresa, enfim, se antes os termos chamados chulos eram ditos em poucos locais (estádio, partidas de futebol, briga e prostíbulos), hoje ele é dito mais vezes do que se bebe água.

Mas, como obscenidade hoje em dia vende ..... Não, não foi por isso que eu coloquei esse título. O palavrão acima não pode ser considerado grande porque não é uma palavra, mas sim uma frase; e sendo frase, não pode ser considerada como tal. Por outro lado, a obscenidade, sendo dita por uma criança, que ainda é um ser puro, lindo, livre e verdadeiro, geralmente é vista de outra forma.

E esse é o intuito do título. a obscenidade acima foi vista por mim como uma coisa linda, bela. Tudo porque tomou outra conotação que não a de um palavrão. Não foi usada para denegrir a imagem de alguém ou minimizar a condição de alguém, mas sim para exteriorizar o sentimento em um determinado momento de alegria, de gozo. Essa foi a frase dita pelo Roberto Carlos, enquanto menino, e que me marcou demais no filme que assisti na última quarta feira.

Em "O Contador de Histórias", a vida de Roberto Carlos, um garoto negro de Minas Gerais é contada desde o seu início pobre e humilde até os dias atuais. Sua mãe o deixou na FEBEM acreditando ser o melhor para ele, mas lá ele sofre demais com tudo (abusos, violência e outras coisas mais). É apresentado também, como era vista a FEBEM em seu início e como era diferente a imagem gerada no imaginário das pessoas ao assistir ao comercial e a realidade da instituição após o seu ingresso. Mas esse não é o ponto ....

O ponto é que uma expressão como o título desse post foi, pelo menos para mim, pela primeira vez, uma palavrão falado de forma positiva. Nenhum outro palavrão foi falado de forma positiva como esse falado pelo menino. E falado de uma forma tão pura e linda ao realizar o seu sonho de ver o mar. Mas esse é apenas um dos pontos desse filme que me impactou e me fez pensar ....

Será que não há solução para os casos mais graves de nossa sociedade ?! Será que não há ninguém que faça parar os escandalos políticos ?! A falta de amor de uns pelos outros ?! O afeto pelas coisas simples ?!

Se não existe mais justiça, que exista pelo menos amor ....

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Rico Rouba ?!

Estava me lembrando de uma noite dessas.... Tinha ido pela primeira vez nessa boate na Zona Sul. Zona Sul ... Zona Sul .... Lugar chique no Rio de Janeiro.

Já na entrada, me assustei porque, ao contrário do que é realizado na maioria das casas noturnas que estava acostumado a ir, nessa a comanda é eletronica - ou seja - o cara controla a sua conta através de um cartão. Tecnologia a parte, fui lá eu para curtir.

Entrei e tentei parecer um ser normal diante de todo aquele ambiente novo para mim ... Observava as pessoas, o local, o atendimento e até mesmo como eles resolveram o problema de espaço, criando um banheiro unissex (o primeiro que eu vi funcionar em uma boate).

Lá pelas tantas, conversando com frequentadores da casa, os mesmos (que tinham se mudado para o local mais emergente do Rio de Janeiro) estavam me dizendo que, na ultima vez que tinham ido ao local, tinham ficado com o cartão de um amigo. E esse amigo tinha ido embora. E eles gastaram mais de R$ 200,00 no cartão da pessoa, esconderam o cartão e não pagaram.

Aí me vem a pergunta do título do meu post. Rico rouba ?! Bom, eu acredito que não.... Eu acredito que todas as CPI´s e tudo o mais que foi investigado no senado, no governo federal é pura falta de trabalho. Acho que a Cidade da Música foi um problema de tentativa de se economizar, bem como os anões da vida e o mensalão é invenção de jornalista, para ter o que escrever.

Para esses, não existe cadeia. O crime do colarinho branco se resume a pagar uma cervejinha para o Puliça. Existe cadeia para aquele que rouba por não ter trabalho e o que pega é apenas leite e pão, existe punição para os que, sem oportunidades na vida, vê o crime (que em muitas das vezes bate a sua porta literalmente) como alternativa ou como a ultima saida. Para esses sim existem punição.

E enquanto eles se apertam em cadeias super lotadas, existem milhões sendo desviados, com a desculpa de pagamento de salário, para uma corja residente em Brasília.

sábado, 25 de abril de 2009

A fé É cega, ou ela Cega ?!

A umas semanas atrás tive a ilustre presença de uma amiga do Ceará aqui no Rio. Infelizmente ela teve que retornar a sua terra natal e antes que ela se fosse, eu (que até o momento tinha sido um mal anfitrião) resolvi leva-la para um passeio.

Fomos a uma praça famosa aqui do Rio, onde todo domingo há uma feira hippye. Depois, caminhamos até a praia (do arpoador) para vermos o por do sol. No final de tudo, ainda demos uma volta na roda, tiramos fotos e jantamos comida japonesa.

Durante a caminhada, passamos por uma igreja. Na porta, existiam pessoas (aqui chamadas de mendigos, ou moradores de rua) que solicitavam uma ajuda, um dinheiro, um prato de comida ou algo assim. É claro que eu sei que não temos a condição de mudar o mundo, de ajudar a tudo e todos, entretanto ...

Fico pensando de que adianta irmos para a igreja, falarmos tanto de amor ao próximo e ao saírmos da igreja, não conseguimos praticar. Como diz na palavra - " A fé não é nada sem obras."

Não quero aqui jogar a igreja e/ou qualquer outra religião no chão, entretanto, isso me levou a pensar: - Será que a religião de uma certa forma, não nos ajuda a receber e aceitar a desigualdade existente nessa terra, ou a simplesmente conviver com ela ?!

Será que os sonhos que existem dentro de nós não são esquecidos, ou bloqueados por não serem a vontade de Deus, Alá, Buda, Xangô e outros Deuses, Santos ou entidades .... O que seriam os sonhos então ?! Só idéias que não podem ser realizadas ?!

Enfim, não quero aqui vir contra o movimento religioso mundial que ocorre, quando o mundo mais precisa de amor, mais precisa de paz, mais precisa de compreensão. Quero que as pessoas entendam que podem sonhar, buscar seus objetivos e ao mesmo tempo ajudar ao próximo.

E com licença gostaria de mudar e adequar a frase:
- "Fazer o bem, sem ver e nem julgar a quem!"

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Big Brother Global

Olá minha gente ...



Seja bem vindo ao BBG - O Big Brother Global. Nele, você será observado 24h; com um prêmio igual para todos (o chamado prêmio de participação) que é nenhum; afinal, você já vive.



Começa o dia e com ele a sua participação. É camera aqui, GPS acolá e vários sensores em sua casa para dizer onde você se encontra, se você dormiu em casa, ou fora dela ... Duvida ?! Durma fora e veja quantas ligações terá seu celular, ligue o computador (ou laptop) e veja, ao entrar no MSN, quantas pessoas terão te vigiado no dia anterior....



Você se arruma, toma café e sai. Logo no elevador, tem uma camera apontada para você, te vigiando, filmando, olhando ... Ela é tão intrusiva, que as mulheres não mais ajeitam a calcinha no elevador e os homens pararam de tirar meleca. Infelizmente ela ainda só não serve para as criancinhas que, além de fazer graça, conseguem danificar o mesmo e não serem punidas por isso.



Após a árdua descida, você chega ao seu carro (ou ao ponto de ônibus) e aí é uma festa. GPS, Cameras da CET-Rio (ou da empresa controladora do tráfego em seu estado), pardais, cameras dentro do ônibus, GPS no seu carro (ou no da empresa), cameras da Polícia Militar (ou similar), entre outras .... Tudo para dar a você a "sensação" de segurança. Mas, você se sente seguro ?!

As grades, as cameras, o número excessivo de guardas e armas, nada disso serve para dar mais segurança a sociedade. A segurança está diretamente ligada a questões financeiras. Enquanto houverem pessoas que todos os dias a noite, no Centro do Rio de Janeiro, precisam esperar o expediente acabar, para terem direito ao seu ganha pão (reciclando papel, latas e outros) enquanto a maioria vai para casa gastar e dormir, ficará dificil para que isso aconteça.

Precisamos entender que a violencia está ligada a oportunidades. De lugar a quem rouba, e veja se ele continuará a roubar ?! Não que todos sejam idoneos, mas muitos foram pelo caminho errado por não ter caminho certo.

Com isso, ao invés de comprarmos cameras, poderiamos comprar comida e outros, para os mais necessitados ...

domingo, 22 de março de 2009

Amigos ....

Diferentemente de outros textos, eu queria (e muito) que nesse vocês colocassem nos comentários a resposta da pergunta abaixo e se acharem válidos, o porque ...

VOCES ACHAM QUE EU SOU UM BOM AMIGO ?!

Eu acho que não. Infelizmente não sei cultivar amizades. Infelizmente não sei perceber neles a necessidade de um amigo. Não sei dar valor, cultivar, lembrar, ligar e essas outras coisas que todo amigo faz.

Eu sou esquecido.
Minha timidez de ligar faz com que eu não cultive esse hábito.
Minha falta de assunto faz com que eu não converse.
Meu medo de contar da minha vida e virar chacota, faz com que eu não me abra.
Meu medo de ser visto como coitadinho faz com que eu esconda coisas.

Enfim, não sou o melhor dos amigos, na verdade não consigo me considerar amigo de ninguém. A resposta mais dificil de ser respondida por mim é: Quem é seu melhor amigo ?
Eu não consigo ser melhor amigo de ninguém, e por isso acho que não tenho melhor amigo. Sempre tenho medo de atrapalhar todos e a todo momento.

Bom, mais que um texto, esse é um desabafo, que com as suas respostas me fará pensar e escrever outro texto.

Nesse, encarecidamente, espero a colaboração de vocês - caros leitores ...

Há Braços ...

domingo, 15 de março de 2009

Eu Ganhei ...

Durante toda a semana tentei escrever algo. Mas não consegui ... Queria falar sobre a perda ... Mas eu não perdi ...

Há sete dias atrás perdi alguém que amava muito. Perdi ?! Não eu não perdi. Ele faleceu. Sim, você perdeu - algumas pessoas podem dizer. Entretanto digo que não perdi.

Só se pode perder algo, ou alguém aquele que é egoista ao ponto de não saber que, nem as coisas e nem as pessoas, são nossas. Independente de sua religião, as coisas e as pessoas são do mundo.
No caso das coisas, nós lutamos, trabalhamos, batalhamos para compra-las, conquista-las, consegui-las. Já as pessoas, essas sim, são as mais difíceis de mantermos ao nosso lado, junto de nós.

Mas como dizia antes, não perdi. Ganhei !!!! Para sempre terei em minha mente a imagem cativante de meu avô. Uma pessoa carismática, feliz, alegre, fiel e temente a Deus. Hoje, se derramo lágrimas, é porque sei o quão importante essa pessoa foi para mim. Fiz o que pude, Deus também. E, no período da quaresma, onde a igreja ora e jejua, meu avô fez o mesmo - durante cinco meses, já que sua doença quase o impossibilitava de comer.

Mas seu avô se foi ? Sim, e daí ... Para mim, foi um ganho inestimável. Sei que hoje, agora, nesse exato momento ele olha por mim, por nós, pela minha família. E se muitos dizem que eu perdi, eu digo e afirmo que ganhei - ganhei porque terei memória e histórias para contar de minha vivencia com ele; ganhei porque aprendi muito com esse amor; ganhei porque nada poderá tirar de mim a lembrança; ganhei porque percebi que somos insubstituíveis; ganhei porque sei que tenho mais um anjo a olhar por mim; ganhei porque Deus está com meu avô.

Se a sete dias atrás, o sentimento era de perda e dor; hoje, sete dias depois, o único sentimento que floresce em meu peito é o de um grande amor. E em breve nos veremos.....

domingo, 8 de março de 2009

301 Picaretas ?!

O ano ?! Não lembro ... O dia ?! Menos ainda ... A atividade, essa sim, não poderia esquecer ...

Tinha um grande amigo (que Deus o tenha) e ele tinha começado a tocar violão por hobby. Entretanto, como ele estava doente, a onda era ir para a casa dele e ficar tocando violão até .....
Lembro-me de que existiam várias músicas de que gostávamos ... Eu, como não sabia tocar, ficava exercitando minhas cordas vocais para quem sabe um dia seguir carreira (hoje vejo que eu era um desastre).
O Rappa, Cidade Negra, Paralamas, Engenheiros, Roupa Nova e outras bandas eram parte de nosso repertório.
Mas, não sei por que, existia uma desavença sempre que iniciávamos nosso repertório. Enquanto eu gostava de Paralamas e lutava para ouvir as (naquela época) músicas do novo CD, eles insistiam em tocar Hey Joe. Eu brigava, pedia, mas como não sabia tocar, ficava a merce deles.
Aí, um dia, ao invés de tocar, todos paramos para ouvir o novo CD dos Paralamas. Dentre os bonus, tinha uma que falava:" Luis Inácio falou, Luis Inácio avisou. São 300 picaretas com anel de doutor." e continuava ...

Naquele tempo, Lula era a personificação da esquerda. Sindicalista, militante, PT, e tudo o mais que a parcela sofrida da sociedade esperava como chance de transformação. Era o sonho de uma parcela da sociedade se materializando. E enquanto "Brasilia vivia a sua própria lei" ele ia trilhando um caminho de contestação no qual cada vez mais o povo te apoiava. Foi surpreendente o movimento pró-Lula nas eleições duas eleições em que ele disputou e perdeu. Desde o povo pobre e sofrido, até grandes nomes de nosso meio cultural estavam do lado desse que representava os ideais.

Então, depois de 3 eleições. O sonho enfim se realizou. Lula chegou ao poder. E o sonho do povo poderia então ser realizado. Poderia ... alguns dizem que sim, outros dizem que não. Foram feitas diversas alianças com diversos partidos, montando o que ele chama de base aliada para conseguir conversar. Enquanto isso vemos outras formas de governos contestadoras pela América do Sul - paises que estão realmente fazendo uma transformação em seu modo de governar. Infelizmente, não tenho o poder de julgar quem está certo e quem está errado. Ou que caminho deveríamos ter seguido e não seguimos.

O que sei, é que olhando o cenário atual de nosso país, analisando tudo o que está acontecendo em nossa sociedade e ainda mais depois das eleições para presidente da Câmara e do Senado, tenho certeza que de onde estiver, meu amigo - e porque não muitos outros - estarão cantando: "Parabéns, coronéis, vocês venceram outra vez
O congresso continua a serviço de vocês
Papai, quando eu crescer, eu quero ser anão
Pra roubar, renunciar, voltar na próxima eleição"

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Será que o paleativo soluciona ?!

Certa vez um amigo meu foi ao médico.
Chegando lá, ele disse: Doutor, eu tou doente, mas eu não quero fazer exame, não quero sentir dor, não gosto de hospital e quero logo ficar bom.
O Doutor disse: Sim, mas o que o senhor sente ?!
O amigo: Dor, muita dor de cabeça....
O Doutor: Sim, mais isso pode ser sintoma de várias coisas, precisamos fazer uns exames...
O amigo logo cortou: Não, eu não gosto de agulhas, tenho medo da radiação e nada de ficar me dando comprimido ...
O Doutor disse: Tudo bem, os dois primeiros eu posso não fazer, mas os comprimidos ...
E vendo que não ia ter solução, o meu amigo disse: Tá bom, eu tomo o remédio, desde que me garanta que ele irá tirar a minha dor ...
O Doutor disse: Sim, ele talvez não resolva, mas irá diminuir a dor que sentes ... irá amenizar o sofrimento ... irá ficar mais relaxado em alguns momentos ...
Entretanto ....
O amigo perguntou: Entretanto o que Doutor ...
O Doutor: entretanto não sei qual será o resultado. Não sei se a longo prazo o remédio fará efeito e o que isso irá mudar na sua vida e se fará você melhorar ....
Então o meu amigo não mais disse ....

Quando ele me contou isso, eu não entendi porque ele não queria fazer exames e nem nada ... E até hoje eu fiquei sem saber, entretanto, pensei no que estava acontecendo naquele momento. Estava eu entrando para o PROUNI, um programa do governo que destinavam bolsas de estudo em Universidades para estudantes de baixa renda oriundos da rede pública de ensino. O PROUNI é um excelente programa, entretanto, é algo paleativo, que veio para tentar igualar os 500 de exclusão do povo pobre (que por muitas das vezes é negro) das Universidades.

O projeto tem lá as suas falhas, os seus defeitos, mas é um grande avanço dentro dos projetos que tem como mote a igualdade social. Ele dá condições de que as instituições de ensino privadas concedam bolsas em troca do não pagamento de impostos. Muitos acham que esses impostos deveriam ser recolhidos e investidos em criação de novas universidades públicas além de investimentos nas já existentes.

Mas eu ainda me perguntava: "será que é realmente válido isso ?!" De início, claro que sim. Percebi que era necessário ter um projeto desse porte, mas e futuramente ?! Se a base do estudo não mudar, teremos cada vez mais escolas públicas com ensino palpérrimo, professores desestimulados com a aprovação automática (ou algo parecido) baixos salários e outros ...

Enquanto eu devaneava com as minhas idéias, meu amigo se retorcia de dor, dizendo que precisava ir, que estava na hora do remédio já ... Eu ainda pensando:" O projeto não dá nem condições de estudo, não custeia nem a passagem - se o cara já tem pouco, de onde vai tirar para estudar ?!" E meu amigo já ia embora ....

Quando percebi, ele já virava a rua. Então eu gritei: Lú ... Ele virou a esquina .. Eu corri .. E quando o alcancei, ele me disse: Só quem sabe a dor, é que sabe se é bom o remédio, seu efeito e até onde ele irá servir ...

Depois disso ele se foi .... E eu, com as minhas idéias, fiquei ...

domingo, 1 de fevereiro de 2009

2000 Amigos ?!

Depois de merecidas férias (na verdade falta de disposição para escrever ....) volto para trazer uma reflexão e, antes de pensarem que novamente desistirei, venho dizer que irei me esforçar ao máximo para cumprir a promessa que fiz a minha amiga Camila Chaves (mentora que me ajudou a iniciar no mundo do blog)
Outro dia pensando nela, e no esforço dela para que eu fosse iniciar meu blog, lembrei que ela me foi apresentada pelo Celso (indiretamente) e pude conhece-la no Seminário Porto Alegre em 2007. Celso me foi apresentado por Arthur William a quem fui apresentado ao iniciar a minha faculdade. Junto a Celso, me foram apresentados Élida, Paty, Pedro Caribé, Alê, Marilia, Pedrão, Luka, Bunny, Marcos, Luiz e tantos outros militantes da ENECOS.
Arthur, que me foi apresentado na faculdade, pela mesma, tinha junto dele Pepê, Tatá, Thiagão, Thais, Manel, Bettina e tantos outros que faziam parte do CACOS.
Junto a esses, fui apresentado a um novo grupo, daqueles que sentam juntos, comem juntos, fazem tudo junto e até hoje quando penso neles, lembro de meu segundo grau. Então Robson's, Tainá, Maraca, Vitor e tantos outros se juntam ao Célio, André, Rogério, Luciana, Douglas, Aline, e mais alguns que a memória me rouba o nome, mas a fisionomia fica sempre estampada na memória.

Para que eu disse esse tanto de nomes e tantos outros momentos ?! Para lembrar que dos mais diversos lugares e das mais diversas condições vem as nossas amizades. Muitas vezes moramos em condomínio e outros lugares os quais não temos vínculos tão fortes (ou até temos) mas a marca que determinadas pessoas nos deixam .... Essas são eternas.
Nem todas são marcas físicas (algumas sim ...) mas todas essas marcas, muitas das vezes são roubadas pelo tempo; ou será que ninguém se deu falta de algumas pessoas com as quais tenha estudado, jogado bola, ido ao cinema ou simplesmente pego uma chuva num fim de tarde ...

Alguns dizem que nossos caminhos estão traçados ... outros dizem que podemos trilhar nossos caminhos ... Eu prefiro não dizer nada ... apenas compreender que de uma forma ou de outra as pessoas entram em nossas vidas não para todo o sempre, mas para deixar marcas em nossa construção ...

PARTICULARMENTE

Agradeço a
tod@s que entraram em minha vida e por algum motivo deixou marcas em minha construção. No M.E., na faculdade, na vida, na igreja, no dia a dia, no hospital e em tantas outras oportunidades, se pararmos apenas um momento e olharmos ao nosso redor, iremos talvez não entender o mundo, mas entender o que fazemos ali.

Beijos e até o próximo ...