Pular para o conteúdo principal

Para onde foi o Social ?!

Outro dia eu estava me questionando .....


Qual é o papel de um comunicador social ?! É claro que nenhum questionamento surge do nada e o meu surgiu ao perceber o seguinte: Minha irmã está se formando em Serviço Social. Ela será uma assistente social e irá ajudar a idosos (que é onde ela está trabalhando agora), mas na verdade o mote da profissão é ajudar, auxiliar a sociedade de um modo geral e as pessoas que estão desamparadas, necessitadas e precisam de um amparo.

Pois bem, saindo do Serviço Social, fui pensar nas outras profissões (cursos) em que o segundo termo é Social. Aí lembrei .... temos a Comunicação Social - mas ela é social de verdade !? E aí foi dificil responder a essa questão.... E trago essa indagação para vocês.

Hoje em dia o que vale na informação ?! A informação em questão ou o número que ela proporciona para a retransmissora em questão ?! Sim, porque o modo de transmitir a informação e a escolha de qual informação transmitir está diretamente atrelada a interesses e ao monstro atual da televisão brasileira que é o IBOPE.

Vejamos caso recente: Todos os jornais noticiaram a morte de um renomado artista internacional. Porém, pouco se fala da fome no nordeste, das cheias no Maranhão ou dos ventos do Sul. Pouco se noticia os escandalos nas casas de justiça e as atrocidades nos átrios da lei.

E isso não é só na TV. Nos jornais também é assim. Para ter mais venda, a matéria de capa é aquela, sensacionalista, para a venda de jornais. Na internet então, nem se fala.... E aí eu pergunto, para onde foi o Social ?!

Sim, porque a função social do comunicador (ou comunicólogo) acho que está indo para o espaço. E não é para perto, já que nossa próxima expedição será para Marte. Talvez seja para lá que esteja indo a função social do comunicador. Porque na TV não existe função social (seja ela de informação, de esclarecimento, de questionamento do que aconteçe nos dias atuais) que consiga vencer a guerra de egos existente na TV brasileira.

E, se algumas das melhores escolas do País (as que tiram A no Provão) tem um ensino que não valorize isso, que dirá as que tiram E. Mas para ter o social valorizado, não adianta somente um bom ensino, é preciso ter uma boa cultura ... Que se importe com os demais ...

Comentários

Acho que o jornal tem que trazer na capa algo que chame a atenção dos leitores para eles comprarem, e lá dentro deve ter o social também...
só assim...
pois se falar das mazelas do brasil na primeira página o jornal n venderá muito!
"O nome é tudo" já diz seu blog... O nome "Michael Jackson" vende mais do que o nome "Fome". Pq a fome nao é mais novidade. A gente INFELIZMENTE se habitou a conviver com ela, com a miséria. Muita gente lucra com a miséria e muita gente lucra com a morte do astro da música. Mas discordo que "vender papel jornal" seja a funçao do comunicador, esse tem a funçao de sensibilizar, apontar problemas da sociedade e ouvir quem procura formulas para saná-los. Se não for pra isso, acho que estou no curso errado.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.