domingo, 28 de setembro de 2008

Dominante e Recessivo

Essa semana eu fui colocar um celular no concerto. No momento em que estava sendo atendido, ao meu lado parou uma senhora com um neném que tinham olhos azuis e as atendentes estavam conversando sobre como seriam os filhos caso elas os tivessem com os atuais namorados. Começaram a pensar se teriam olhos verdes como os da atendente e/ou azuis como os de seu namorado. E eu ali, esperando ser atendido e querendo resolver o problema do meu celular.

Mas foi apartir dessa conversa que lembrei de quando estava no segundo grau (acho que foi no segundo grau), e aprendi sobre dominante e recessivo. No grau que estava a conversa, achei melhor não me meter, mas me deu uma vontade louca de explica-las que era impossível determinar isso agora porque tinhamos genes dominantes, recessivos e suas combinações davam as mais variadas formas.

Fui atendido, mas fiquei com isso na minha cabeça e fui para a aula. Sim, aula. E ao chegar foi fomentado por um texto que dizia que o neoliberalismo surgiu após, não só o acontecimento de várias crises, como o final do socialismo. E me perguntei - será que realmente o socialismo acabou ?! Será que chegamos ao final desse sistema ?! Que o socialismo foi somente um desvio na conjuntura política mundial ?!

Eu acho que não, e aí me veio na cabeça a questão do dominante e recessivo. É claro que o sistema socialista não se tornou dominante, mesmo que em alguns estados ele teve seu período de implementação, não chegou a ser uma unanimidade mundial. Entretanto, mesmo tendo sido recessivo, ele teve diversas coisas incorporadas aos sistemas dominantes que vivemos hoje em dia.

Se não tivesse existido um período socialista, com diversos países tentanto a sua implementação; hoje, mesmo nos sistemas atuais, não teriamos essa diversidade nos sistemas capitalistas, onde o povo ainda tem muito a conquistar, mas que muito já nos foi dado pelo medo dos próprios capitalistas de que o socialismo se tornasse hegemonico.

E foi onde eu pude perceber como é bom ser recessivo. Como é bom ser pequenininho, aquele que muitas das vezes não tem espaço, não tem vez, não tem oportunidade; porque num breve e determinado momento, se não tomarem cuidado, ele pode vir a tona. No caso dos genes, nunca um recessivo se tornaria dominante, mas no caso da política ....

P.S. - Inspiração no jeito CAMILINHA de escrever. Obrigado pela sua colaboração semanal.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Nossa vida ...

Minha cabeça tem pensado em muitas coisas e me frustro muitas das vezes por não conseguir realizar nenhuma delas. Sempre precisamos de algo, ou de alguém que infelizmente naquele momento está em outra VIBE, ocupado também com os seus projetos e sua vida.

A minha vida, vejo que está sendo construida nas diversas experiências que tive e que vou tendo ao longo dela. Não me furto a participar das coisas e nem de viver as coisas, mas já o fiz.

Hoje, estou tendo a possibilidade de me dar a chance de ser mais flexível, de ouvir outros e de participar de coisas e ter vivencias que antes eu não teria. Isso só está sendo possível graças a um grupo de amigos e pessoas (em especial UMA) que está me possibilitando e proporcionando novas e diferentes experiências de vida.

Falo isso para perguntar a você que está lendo esse texto - e agradeço por isso - o que você está fazendo para ouvir o outro ?! Será que você dá possibilidades a tod@s ?! Ou somente aqueles que estão bem arrumados e/ou bem apresentáveis ?!

Tenho visto que muitas pessoas, talvez por conta dessa sociedade em que vivemos, esquecem que os pobres, os moradores de rua, os mendigos e tantos outros foram um dia iguais a nós. Eu não acredito que eles sejam esses títulos que eu disse antes, mas como também os políticos, eles estão nessa situação. E se estão nessa situação é porque nós (a sociedade atual) os colocamos assim, por diversas formas que esse texto não cabe discutir.

A idéia aqui é apenas refletir sobre quem consideramos como pessoas e como agimos com elas.... Será que tod@s aqueles que estão ali são invisíveis ?! Será que eles não merecem uma oportunidade ?!

É isso ... E até o próximo texto ...