Pular para o conteúdo principal

Puta que lá merda

Palavrão !! Segundo o dicionário, palavrão pode ser tanto uma palavra grande, quanto obscenidade.


Hoje em dia, o palavrão deixou de ser uma obscenidade. Já é falado pelas crianças na rua, como se o mesmo fosse encontrado e aprendido a uma simples leitura no dicionário. Seja com o motorista de ônibus que parou fora do ponto, seja com o amigo do colégio que lhe tacou uma amêndoa, seja no momento que caiu uma chuva de surpresa, enfim, se antes os termos chamados chulos eram ditos em poucos locais (estádio, partidas de futebol, briga e prostíbulos), hoje ele é dito mais vezes do que se bebe água.

Mas, como obscenidade hoje em dia vende ..... Não, não foi por isso que eu coloquei esse título. O palavrão acima não pode ser considerado grande porque não é uma palavra, mas sim uma frase; e sendo frase, não pode ser considerada como tal. Por outro lado, a obscenidade, sendo dita por uma criança, que ainda é um ser puro, lindo, livre e verdadeiro, geralmente é vista de outra forma.

E esse é o intuito do título. a obscenidade acima foi vista por mim como uma coisa linda, bela. Tudo porque tomou outra conotação que não a de um palavrão. Não foi usada para denegrir a imagem de alguém ou minimizar a condição de alguém, mas sim para exteriorizar o sentimento em um determinado momento de alegria, de gozo. Essa foi a frase dita pelo Roberto Carlos, enquanto menino, e que me marcou demais no filme que assisti na última quarta feira.

Em "O Contador de Histórias", a vida de Roberto Carlos, um garoto negro de Minas Gerais é contada desde o seu início pobre e humilde até os dias atuais. Sua mãe o deixou na FEBEM acreditando ser o melhor para ele, mas lá ele sofre demais com tudo (abusos, violência e outras coisas mais). É apresentado também, como era vista a FEBEM em seu início e como era diferente a imagem gerada no imaginário das pessoas ao assistir ao comercial e a realidade da instituição após o seu ingresso. Mas esse não é o ponto ....

O ponto é que uma expressão como o título desse post foi, pelo menos para mim, pela primeira vez, uma palavrão falado de forma positiva. Nenhum outro palavrão foi falado de forma positiva como esse falado pelo menino. E falado de uma forma tão pura e linda ao realizar o seu sonho de ver o mar. Mas esse é apenas um dos pontos desse filme que me impactou e me fez pensar ....

Será que não há solução para os casos mais graves de nossa sociedade ?! Será que não há ninguém que faça parar os escandalos políticos ?! A falta de amor de uns pelos outros ?! O afeto pelas coisas simples ?!

Se não existe mais justiça, que exista pelo menos amor ....

Comentários

Danile disse…
Muito engraçado, ler esse texto hoje, por que estava mesmo comentando sobre o assunto. Parece que as coisas chegaram num ponto que não tem mais volta e o pior, cada dia se agrava. E cada vez mais tenho certeza que nasci na época errada!
bjos, Ti
Thiago Lima disse…
A espetacularização do "palavrão" é reflexo da sociedade distorcida em que vivemos, infelizmente.
Ouvir isso da boca de uma criança é o mais triste, sendo que elas nem tem idéia (opa, agora sem o acento)do que estão dizendo - e quando tomam conhecimento, já é tarde demais.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.