quarta-feira, 23 de março de 2011

E o foco vai para

Lembrei da aula de fotografia, onde a professora dizia que bastava mudar o foco, para mudar o olhar sobre o objeto. E uma vez que esse foco fosse alterado, nada seria como antes.

Vivia sem entender e muito menos fazer comparação com a vida. Mas as palavras faziam eco em minha mente e eu sabia que mais cedo ou mais tarde eu encontraria aquilo que fosse, na prática, a mudança de foco.

Veio o novo ano, o mês de Janeiro, férias, Carnaval e nada. Passaram os momentos de folia e novos planos surgiram, mas ainda não eram pra já. Tudo conspirando para que o foco fosse mudado, porém, como eu não conseguia perceber isso, ainda olhava para o antigo foco.

Porém, eis que um telefonema muda o meu foco. E o que era Sul, vira Norte; o que era reta, ganha curvas; o que era ônibus, agora ganha integração. Mas, o que era amor, ainda não ganhou uma nova paixão.

E hoje vivo de novo foco, de novo olhar, voltado para morros e montanhas, como sempre buscando o alto.

segunda-feira, 21 de março de 2011

POESIA - Calou

E na falta do que dizer, se calou ...

Pensou, olhou, analisou.

A situação era tensa, mas o que fazer
quando a decisão não depende de você ?!

E na falta do que dizer, se calou ...

Olhava para um lado e para o outro.

A coisa precisava de uma reação,
ação, posição, decisão.

E na falta do que dizer, se calou ...

Queria falar, gritar, xingar,
mas apenas se magoou.

E na falta do que dizer, se calou ...

Silenciado e silencioso,
saiu a caminhar,
esperando um novo lugar
para depositar seu amor,
sua paixão, voz e coração.

Mas até o momento, durante as caminhadas
ele apenas
Calou.

sábado, 19 de março de 2011

POESIA - Gritos

Não adianta gritar para o ar
espernear, chorar.
As coisas acontecem
e devem acontecer.
Não devemos lamentar.

Não adianta chorar,
gritar, resmungar.
Porque mesmo que as pessoas ouçam,
muitas delas não irão colaborar.
Não devemos esperar.

Não adianta esperar,
chorar, lamentar.
O tempo passa e não te espera,
e se você não se move ele corre.
Não devemos aguardar.

Não adianta resumir,
fingir não sentir
A vontade, mesmo que diferente da razão
serve para mostrar o que sentir.

Devemos deixar a vida seguir.

quinta-feira, 17 de março de 2011

POESIA - Se soltar

E quando você solta as amarras,
Você consegue amar,
Mas não é o amor da sociedade,
É o amor do coração,
Aquele que se sobrepõe a paixão,
E ignora a razão.

E quando o coração agir,
Fazer o que a razão não permitir,
aí sim você estará amando,
sentindo o corpo alvoroçar,
borboletas a voar,
sensação de verdade.

Isso sim é amar,
é sentir com o coração,
é abandonar a paixão,
e somente viver pra mudar,
fazer o que manda o coração, para mim,

Isso sim que é Amar !!!