domingo, 27 de dezembro de 2015

Apenas o por do sol e nada mais.

Aos poucos organizar as coisas vai significando organizar a vida e abrir aquela gaveta emperrada significa que nunca mais você terá tempo ou qualquer outra coisa para abri-la novamente e a decisão precisa ser tomada agora: levará a bagagem com você, ou deixará pelo caminho.

Aos poucos, separar "os pertences" é cortar aos poucos um invisível cordão umbilical. É pensar que nunca nada será como antes, apesar de uma enorme vontade de voltar atrás e viver tudo novamente.

Aos poucos, fechar caixas é como colocar a pedra na entrada do túmulo. É encerrar vidas antigas para seguir no único caminho. E como é bom..........

Hoje talvez tenha sido o último dia, aquele que você para para pensar e vê que a vida está a caminhar, o relógio a girar e as coisas a seguirem seu rumo.

Hoje talvez tenha sido o último dia que tenha parado para ver o por do sol da janela do meu quarto. Talvez tenha sido a última oportunidade que eu tive de contemplar o adeus do sol e a benção da lua e da chuva.

Hoje, vi o time lapse mais longo da minha vida.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

POESIA - Prefiro ...

Prefiro...

o esforço ao esquecimento,
o olho no olho ao não te olhar,
ouvir tua voz ao invés de não te ligar,

Prefiro...

seu amor ao invés das dores,
seu sabor ao invés das coisas insossas,
meus sonhos misturados com os seus,

Prefiro...

certeza à vontades,

sim a não,
boca com boca,
mão com mão.

Prefiro...

dormir
e saber que amanhã, 
mesmo longe,
tenho você.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

POESIA - Retomar ....

Todo novo ano é tempo, 
toda segunda é dia,
todo sol é manhã,
ao abrir o olho alegria. 

Todo ano novo é vez,
todo primeiro dia é novo mês,
todo anoitecer é se guardar,
para no dia seguinte mais alto pular. 

E se eu espero a segunda,
e se eu espero a manhã,
e se eu espero o ano novo,
e se eu esperar até de manhã.

Porque esperar para retomar,
se posso retomar o dia que for,
pois para cada dia de choro,
haverão dias de amor.