Pular para o conteúdo principal

Loucamente Sã

Era para ser mais um dia normal, o início do final de semana, e eu realizando minha rotina semanal.

O ônibus que tenho pego todos os dias é o de ar-condicionado (o que me faz gastar mais R$ 0,60), mas tudo bem, vou no geladinho, lendo meu livro e prestando atenção no que ocorre ao meu lado. E por isso pude observar bem o que lhes conto agora.

Sexta feira, último dia da semana, eu atrasado como sempre, sentado no banco da janela. Entretanto, algumas coisas diferentes me derem indícios de que ela não seria mais uma sexta, mas A sexta. E foi ...

O ônibus era diferente e tinham bancos antes da roleta. Geralmente não sento neles, porque eles são reservados as gestantes, aos idosos e outros, porém, como tinham mais bancos do que os de costume, fiquei por ali. Ele foi enchendo e muitas mulheres com crianças pequenas foram entrando. Além disso me chamar a atenção, o ocorrido dentro dele me fez refletir o que conto para vocês ...

Estavamos no meio da viagem, quando a passageira sentada no banco da frente disse:"- Estou abrindo uma excessão já". E eu, sem entender nada passei a observar para poder entender ...

A última das meninas que tinha entrado tinha dois filhos. Um dos filhos (o menor) ela colocou no colo. A outra, uma menina, sentou ao lado dessa senhora que disse estar fazendo uma excessão. A excessão a qual ela se referia, era colocar a filha dessa menina no colo, para dar lugar a um senhor com deficiência. Mas essa não foi a única excessão ...

Antes disso, ela já tinha gritado dentro do ônibus, para que as pessoas sentadas no local reservado a gestantes e idosos se levantassem e dessem lugar a duas senhoras que tinham entrado e mal conseguiam andar. Mas não parou por aí ...

Prestes a descer (ela na Av. Passos e eu nos Arcos da Lapa), ela fez a terceira ação: Gritar com o motorista que falava ao celular. Enquanto ele respondia tudo bem, ela falava alto, para que todos ouvissem o quão irresponsavel ele estava sendo, conduzindo mais de 100 pessoas, e falando ao mesmo tempo ao celular, talvez com sua "namorada", fazendo juras de amor.

Depois que ela desceu, todo o ônibus disse:"- essa mulher é louca, o que é que ela tem, ela é louca ..." entretanto, fiquei me perguntando:- Quem é louco afinal ?! Ela ou nós ?!

E ainda estou a refletir isso. Porque a loucura dele se resumiu a mostrar aos passageiros o quanto devemos ter de educação; a mãe das crianças, o quanto é dura a vida e não é sempre que as pessoas serão complacentes com ela; ao motorista, o quão errado ele estava ao dirigir e falar ao telefone.

E ao passo que todos a chamavam de maluca, eu percebia que ela era sã. Sim, muito sã, lutando pelos nossos direitos, direitos de todos os cidadãos. Malucos somos nós, que aceitamos conviver nesse mundo louco, ignorando nossos direitos, e aceitando tudo como paisagem.

Afinal, a paisagem em que você vive e aceita viver é tão bela quanto você desenha ?!

Comentários

Danilo Bueno disse…
Vou te explicar quem e louco. E todo aquele que sai do comum. Vou te explicar quem e Mais Louco. E todo aquele que, ao sair do comum nos deixa incomodados, nos deixa irritados mostrando quao mediocres nos somos. Quem e muito, mas Muito Louco? Aquele que ao sair do comum e ao mostrar-nos nossa mediocridade ainda faz coisas que la no fundo la no fundo nos msmos concordamos

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.