sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

POESIA - Fazer o que ...

Sabe quando você lembra do sorriso daquela pessoa,
e quando lembra do cheiro, do jeito, do beijo,
das frases mais faladas, do que ela não gosta,
dos carinhos, abraços e arranhoes nas costas,
o que fazer se ela não olha mais pra você.

Sabe quando você vai a algum lugar,
mas a alegria não está mais lá,
o sorriso bobo não há de voltar,
você não entende o que te levou até lá,
ela não olha mais pra você.

Sabe quando chega o final de semana,
antes eram planos, planejamento, agenda, programa,
hoje ... nem vontade de sair da cama,
ela não olha mais pra você.

Sabe, chega a hora de reiniciar
outros mares, outros rumos, outro lugar,
outra pessoa, outros sentimentos, outro amar.
Agora há quem olhe pra você.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

POESIA - Hoje

Sim ...

São poucos, loucos,
mas existentes.

Dos outros homens,
em nada diferentes.

As mulheres com eles,
um pouco mais exigentes.

Sim ...

Diz que ama,
não só na cama,
na hora do amor.

Compra rosa,
bombom, presente
e flor.

Chama de vários
apelidos, além de
amor.

Sim

São os ditos
românticos
da moda antiga.

Que no tempo
atual, ainda
vivem a vida.

Amando,
errando e
levantando o
amor.

Pois é

Ainda existe
romântico
à moda antiga.

E para esse remédio
não há saída.

Senão
amar, amor.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

POESIA - Estou Vivo

Tou vivo ..
vive meu corpo ...
já que a mente, morta na razão ...
acompanhou o coração ...
ao ouvir palavras e impropérios ...
verdades e calúnias sobre o meu ser ...
vivo eu ...
que agora não habito em mim ...
viajo ser a vários jardins ...
querendo ser pólen a procriar ...
vivo pois ...
segundo a ciência ...
para viver basta a sapiência ...
de haver batidas do coração ...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

POESIA - Despedida

Se despedir é dar adeus ...

Mas esse adeus não é dado na hora da partida,
nem muito menos na hora da chegada.

Esse adeus é planejado e o sofrimento medido,
porém, impossível negar que saimos com o coração partido.

É um adeus de casa, dos trabalhos e dos amigos,
e por mais que seja até breve, quão breve será esse até.

Em algumas despedidas, você sabe o que vem depois,
quando vai ver essa pessoa, esse lugar, essa galera.

Mas, e se a despedida não é de pessoas,
mas de momentos,
Ih ! aumenta o sofrimento.

Como dizer adeus, se até agora sempre
nas despedidas foi um até breve.

E se por mais que ela fosse para outros lugares
você sempre estava lá.

Como deixar de encontrar a quem quer,
e desencontrado de tudo viver ...

Bom, isso infelizmente não sei, mas terei que aprender ....