sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

POESIA - Ela nunca

Era noite, 
e ela disse nunca ter visto o luar.

Era água, misturada com chá
e ela disse nunca ter provado.

Era o sol,
e ela disse nunca ter sentido a pele queimar.

Era a rua,
e ela disse nunca ter visto um carro passar.

Era nua,
era crua,
era pura,
só não era minha, nem tua.

E ao se abrir, 
abriu. 
Os olhos, 
a vista,
a boca,
o coração.
.
.
.
.
.
E partiu.

Nenhum comentário: