Pular para o conteúdo principal

POESIA - Marcas

E se simplesmente as marcas que temos no nosso corpo sumissem.

Você já parou pra pensar ?

De início, claro é legal não ter marcas,
uma pele lisa, bem cuidada,
Joelhos inteiros, dedos também.

O cotovelo, intacto.
Até parece que não fui criança.

E pensei .... mas ... se as marcas sumirem ?!

Se elas sumirem, sumirão também os acontecimentos,
os tombos de bicicleta, os ralados jogando bola,
as vezes que cai na rua, ou no rio.
Tudo era festa, tudo era desafio.

E me lembrarei do pior xingamento que me faziam:
- você solta pipa no ventilador.

Sumindo as marcas, somem os acidentes.
Sumindo os acidentes, somem as lembranças.

Do que vou me lembrar ?!
O que eu fazia pra aprontar ?!
Hoje, acho graça das crianças. Antes, achava graça de mim.
Mas, apagando, vou rir de que ? Do que ?

é ... pensando bem ...
Deixe minhas marcas bem aqui ...
Elas me lembram bem quem fui, quem sou e me ajudam no quem quero ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Borboletas no estômago

Eu não conhecia essa termologia,e a minha "filha" adotiva tentava me explicar ...
Ela dizia: Pay, não há explicação para essa sensação, é apenas deixar rolar e ver no que vai dar.
E eu louco de pedra, não entendia o rumo da prosa, e queria de pressa, sentir essa sensação.
Ela dizia: Pay, espere e verás, um dia acontecerás, e você vai ver que é muito bom.
E eu não entendia, não sabia o que ela dizia, porque não tinha sentido nada igual.
Ela dizia: Quando for algo verdadeiro, você vai ser o primeiro, a sentir esse voar.
Eu já resignado, esperava desolado, o momento de sentir.
Elas voaram dentro de mim, me fizeram alegres, feliz, meio assim ... As borboletas ocuparam o meu estômago e não quiseram sair.
E para sentir é necessário ser verdadeiro, digo que sinto e sou o primeiro, a novamente sentir algo assim, e desejo que, sem ser nada forçado, ela sinta isso junto a mim.