Pular para o conteúdo principal

POESIA - Borboletas no estômago

Eu não conhecia essa termologia,
e a minha "filha" adotiva tentava me explicar ...

Ela dizia: Pay, não há explicação
para essa sensação,
é apenas deixar rolar e
ver no que vai dar.

E eu louco de pedra,
não entendia o rumo da prosa,
e queria de pressa,
sentir essa sensação.

Ela dizia: Pay, espere e verás,
um dia acontecerás,
e você vai ver que é muito bom.

E eu não entendia,
não sabia o que ela dizia,
porque não tinha sentido nada igual.

Ela dizia: Quando for algo verdadeiro,
você vai ser o primeiro,
a sentir esse voar.

Eu já resignado,
esperava desolado,
o momento de sentir.

Elas voaram dentro de mim,
me fizeram alegres, feliz, meio assim ...
As borboletas ocuparam o meu estômago e
não quiseram sair.

E para sentir é necessário ser verdadeiro,
digo que sinto e sou o primeiro,
a novamente sentir algo assim,
e desejo que, sem ser nada forçado,
ela sinta isso junto a mim.

Comentários

Annelize Tozetto disse…
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAgora que eu viii... *.* Essa conversa foi massa. Espero que as borboletas fiquem. E fiquem durante muito tempo! ;D
Adorei... só quem já sentiu essas borboletinhas agitadas.. sabe o que é rsrsrs!
Abraços amigo!

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.