sexta-feira, 8 de julho de 2011

POESIA - Borboletas no estômago

Eu não conhecia essa termologia,
e a minha "filha" adotiva tentava me explicar ...

Ela dizia: Pay, não há explicação
para essa sensação,
é apenas deixar rolar e
ver no que vai dar.

E eu louco de pedra,
não entendia o rumo da prosa,
e queria de pressa,
sentir essa sensação.

Ela dizia: Pay, espere e verás,
um dia acontecerás,
e você vai ver que é muito bom.

E eu não entendia,
não sabia o que ela dizia,
porque não tinha sentido nada igual.

Ela dizia: Quando for algo verdadeiro,
você vai ser o primeiro,
a sentir esse voar.

Eu já resignado,
esperava desolado,
o momento de sentir.

Elas voaram dentro de mim,
me fizeram alegres, feliz, meio assim ...
As borboletas ocuparam o meu estômago e
não quiseram sair.

E para sentir é necessário ser verdadeiro,
digo que sinto e sou o primeiro,
a novamente sentir algo assim,
e desejo que, sem ser nada forçado,
ela sinta isso junto a mim.

2 comentários:

Annelize Tozetto disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAgora que eu viii... *.* Essa conversa foi massa. Espero que as borboletas fiquem. E fiquem durante muito tempo! ;D

Fab´s -ÄG¡TÄÐÄ disse...

Adorei... só quem já sentiu essas borboletinhas agitadas.. sabe o que é rsrsrs!
Abraços amigo!