sexta-feira, 10 de junho de 2011

POESIA - Empoeirado

Ele estava no canto
largado, amarrotado,
todo empoeirado.

Largado na prateleira,
esquecido pela feira,
ele viva lá,
todo empoeirado.

Não era visto,
nem mexido,
e muito menos desejado,
querido,
vivia pelo canto,
todo empoeirado.

Depois de um tempo veio o pranto,
o choro era o recanto,
já que ele vivia largado,
empoeirado.

Decidiu não se abater,
nem tentar compreender,
apenas seguir a vida,
mesmo que empoeirado.

Começou novos fazeres,
e também alguns sonhares,
buscando muitos prazeres,
e também novos ares.

A poeira foi saindo,
e de novo, ele, foi surgindo
atraindo cada vez,
mais e mais olhares.

Ainda no cantinho,
ressabiado, meio sozinho,
a prateleira do canto
era seu recanto.

Eis que bate o vento,
e a porta abre novamente,
cliente exigente,
não quer levar qualquer um.

Olha prum lado e pro outro,
procura, olha de novo,
está quase decidido a não levar nenhum.

Mas um feixe de luz entra a porta,
e ilumina logo o empoeirado,
que está na prateleira ao lado,
e já tinha desistido de chamar atenção.

Ela vê que ele está triste,
e meio que impactada,
decide numa tacada,
pelo empoeiradão.

Hoje ele é outra pessoa,
a cliente é amor da vida inteira,
e juntos escrevem poesias,
e a mais linda história de amor.

E mesmo de um coração partido,
amargurado, fraco, desiludido,
surge um lindo
sentimento encantador.

Nenhum comentário: