Pular para o conteúdo principal

POESIA - Empoeirado

Ele estava no canto
largado, amarrotado,
todo empoeirado.

Largado na prateleira,
esquecido pela feira,
ele viva lá,
todo empoeirado.

Não era visto,
nem mexido,
e muito menos desejado,
querido,
vivia pelo canto,
todo empoeirado.

Depois de um tempo veio o pranto,
o choro era o recanto,
já que ele vivia largado,
empoeirado.

Decidiu não se abater,
nem tentar compreender,
apenas seguir a vida,
mesmo que empoeirado.

Começou novos fazeres,
e também alguns sonhares,
buscando muitos prazeres,
e também novos ares.

A poeira foi saindo,
e de novo, ele, foi surgindo
atraindo cada vez,
mais e mais olhares.

Ainda no cantinho,
ressabiado, meio sozinho,
a prateleira do canto
era seu recanto.

Eis que bate o vento,
e a porta abre novamente,
cliente exigente,
não quer levar qualquer um.

Olha prum lado e pro outro,
procura, olha de novo,
está quase decidido a não levar nenhum.

Mas um feixe de luz entra a porta,
e ilumina logo o empoeirado,
que está na prateleira ao lado,
e já tinha desistido de chamar atenção.

Ela vê que ele está triste,
e meio que impactada,
decide numa tacada,
pelo empoeiradão.

Hoje ele é outra pessoa,
a cliente é amor da vida inteira,
e juntos escrevem poesias,
e a mais linda história de amor.

E mesmo de um coração partido,
amargurado, fraco, desiludido,
surge um lindo
sentimento encantador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.