Pular para o conteúdo principal

POESIA - Seu Olhar - Parte 1

Nunca olhei tão fundo em seus olhos,
nunca percebi a verdade que ali havia,
nunca vi a paixão que brotava,
que aqueles olhos eram fonte de alegria.

Nunca olhei tão fundo em seus olhos,
nunca vi sentimento tão verdadeiro,
paixão, amor, afeto, amizade,
um turbilhão de sentimentos,
que param um corpo inteiro.

Nunca olhei tão fundo em seus olhos,
nunca vi que ali tinha amor,
mas que também tinham lições
e alguns sentimentos de dor.

Mas ao olhar tão fundo,
pude entender e compreender,
verdade e mistérios,
sentimentos e outras coisas,
que brotam ao te ver.

Mas ao olhar tão fundo,
pude enfim encontrar verdade,
reflexo, espelho, vida,
sentimento que transmite
paz e felicidade.


Comentários

Rayssa Silva disse…
É tudo isso Sr.Poeta?
Lindas palavras...
Um dia,você é só mais "um no mundo",no outro você é parte desse 'mundo" na vida de alguém.
Thalissa disse…
Que mais tenho eu que dizer se vc ja disse tudo?! :D
Continue escrevendo com o coração.. só assim teremos o que parar e refletir.
Anne disse…
Tay, seu lindo!!
Tá demais esse poema! ;D
E que você veja sempre, dentro desses olhos, um amor sincero! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.