Pular para o conteúdo principal

POESIA - Falta

Me faltam palavras ...

Palavras para definir o que sinto,
palavras para definir o que sofro.

Me faltam frases ...

Frases para expressar,
frases para contar,
frases para emocionar,
frases para fazer rir e chorar.

Me faltam olhos ...

Para chorar,
para ver coisas belas,
para ver coisas tristes,
para apenas ver.

Me falta o tato ...

Para pegar a pele,
para sentir o corpo,
para tocar a boca,
para beliscar a bunda.

Me falta tudo isso ....
E muito mais ...
porque me falta você.

Comentários

Joana Chasse disse…
Apesar de ser triste... É lindo! Adorei!!! Beijos
denise disse…
saber q está triste é mt ruim, mas ver suas poesias nesse momento é tão bom... Adorei! Bj
Nanda disse…
Muito bonito apesar de ser triste! Não gosto de saber que estás triste, mas compreendo por está sentindo o mesmo!
Beijos
Lindo, não o vejo triste, mas vejo saudoso.
Aline disse…
aii, mas assim eu choro! rs. espero que a tristeza que percebi dessas palavras já tenha passado! bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.