Pular para o conteúdo principal

Loucura, Censura e Ditadura

A que ponto chegamos ...
No último final de semana foi publicada aqui no Rio de Janeiro, pelo jornal O Dia, uma matéria que falava sobre a atuação da milícia numa comunidade. Os funcionários desse jornal alugaram uma casa na localidade e se estabeleceram na mesma, para realizarem a reportagem.

O primeiro ponto que eu queria levantar é: Seis anos após a morte de Tim Lopes, ainda não conseguimos pensar em um formato de jornalismo investigativo que dê aos profissionais da área uma segurança, uma garantia de que suas vidas não estão sendo colocadas em risco. Até que ponto vale o sacrifício de uma vida ?! Vale somente o aumento de venda dos exemplares daquele periódico ?! Um reconhecimento ?! Enfim, eu não tenho uma posição sobre isso até porque acredito sim que deva haver um jornalismo investigativo; mas até que ponto ele é válido no Brasil ?!

O segundo ponto é a censura : Os moradores dessas localidades são podados de diversas formas. Seja pela polícia, milícia ou tráfico; os moradores das comunidades carentes do Rio de Janeiro não possuem em suas localidades os chamados serviços públicos (saneamento, água, esgoto, saúde, escola, transporte, entre outros). Além disso são tolidos pelas forças citadas anteriormente que, de forma arbitrária e autoritária retira toda e qualquer liberdade desse povo. E na constituição, há um artigo dizendo que todos temos o direito de ir e vir.

Para concluir, quero falar sobre a tortura sofrida pelos funcionários desse jornal, que foram torturados e ameaçados. Tal qual os tempos áureos da Ditadura, pudemos ler (quem ainda não leu, pode ir ao site do jornal, e ler a matéria) pelo qual passaram todos esses que tentam, mesmo de uma forma obscura, melhorar a sociedade. O que me choca aqui, na verdade é que o torturador é quem deveria dar a proteção e se quem me protege também é quem me agride, em quem posso confiar ?!

Comentários

Paty disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.