Pular para o conteúdo principal

Como as coisas podem ser o que não são ....

Motivado pelo texto lido em blog da minha filha, venho aqui para atualizar o meu.

Queria deixar claro a
tod@s que em breve retomo a minha rotina de atualização dominical, mas como estou realizando muitas coisas o ócio criativo tem andado escasso e por isso a falta de texto em meu blog.

Venho rapidamente para falar (levantar) como as coisas podem ser o que não são.... O que me motivou a escrever sobre isso foi um (diga-se de passagem excelente) comercial que vi a alguns dias ...

Vale do Rio Doce - uma publicidade institucional maravilhosamente bem feita, levaria meu dez se não fosse ..... A própria Vale. Gente, tenho levantado isso com várias pessoas por aqui, como pode uma empresa que destrói nossas riquesas naturais, para exploração tipo exportação, fazer um comercial desse e ficar com os louros ?!
É como não culpar a AraCruz Celulose pelas florestas de Eucalipto encontradas por toda a Bahia, ou os países ricos, que absurdamente tentam colocar a água como um bem particular.

E aí, vejo a força, o poder que há numa publicidade, numa simples publicidade. Eu sei que apesar de tudo, ela traz malefícios para a sociedade; mas será que todos sabem ?! Será que todos tem essa percepção ?! As notícias são realmente divulgadas ?! São para
tod@S ?!

E após os vinte e nove segundos de ecstasi, veio a explosão, o emputecimento e o chute na mesa, por ver que um trabalho tão bonito quanto esse comercial leva a assinatura de uma empresa que não merece meu respeito

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.