Pular para o conteúdo principal

Fora da nova ordem mundial...

Faz tempo que não posto aqui. E se eu não posto, que dirá vocês virem ler textos antigos. Então venho escrever essa curta reflexão que tive hoje ao ler o jornal.





No texto havia uma citação a um trecho da música Fora da ordem (de Caetano Veloso), mas é engraçado porque o texto estava no Editorial de Esportes (para quem não sabe o que é editorial, é o mesmo que caderno, parte, páginas).





Aí, ao ler a matéria, vi que se tratava de algo interessante. O texto citava os jogadores que se nacionalizaram e, jogando por outros países, decretaram a derrota de suas pátrias mães. Jogaram no limbo a antiga pátria pelo sucesso que conseguiram na nova.





Isso me fez pensar que o sucesso é algo estranho. Faz você esquecer toda a sua origem, tudo o que passou quando criança; para, famoso e rico, ser o carrasco de sua antiga pátria.


Outra coisa que pensei foi: chegamos a um momento em nossa existência que não há mais a noção de pátria. Engolida pela globalização, está já a muito havia sido esquecida; entretanto vejo que caminhamos para um local além dessa globalização. Um local onde o antigo "quem dá mais" utilizado pelo leiloeiro é a chave.





Esse é o grande lançe. Caminhando na mesma estrada das empresas multinacionais, das grandes parcerias empreendedoras está também o esporte. E como não há relação com a terra em que vive, com o ar que respira e nada ao redor; como cuidar, como zelar por aquilo que não reconheço como meu ?!





Bom, penso que por mais triste que fique com o meu país, levarei suas cores para onde for. Seja lá onde for. Mas se nem isso houver .....





PARA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER .....

Comentários

Annelize Tozetto disse…
Tay, lê um livro de Eduardo Galeano que se chama Futebol ao Sol e a Sombra! Além de sacadas geniais, dá pra sentir o quanto a origem do futebol se perdeu em muitos pontos, mas que ainda preserva sua magia! ;)
Ah, e Editorial de Esportes é meio Estranho. Porque Editorial é Opinião. Seria Editoria (setor) de Esportes! (:

Beuhis

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.