Pular para o conteúdo principal

Da Série - Eu não consigo entender certas coisas ...


Desde o seu primeiro dia de mandato no Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes tem realizado uma árdua briga para colocar novamente o Município nos eixos. Sua intenção, segundo ele mesmo e seus assessores dizem, é o de devolver o Município a quem lhe é de direito, ou seja, ao cidadão.

Feito isso, iniciou-se a operação "Choque de Ordem" que vem atacando tudo que você possa imaginar no Rio de Janeiro. São ocupações urbanas a serem retiradas, moradores de rua a serem recolhidos e levados para instituições, a já famosa "Lei Seca" (que segundo informações irá se tornar "Lei Careta" - detectando também uso de outras substâncias proibidas), demolição de puxadinhos, calçada aos pedestre e tantas outras.

Hoje, indo para dar continuidade ao trabalho que estou realizando no Iate Clube do Rio de Janeiro, teve uma das questões abordadas no "Choque de Ordem" que me chamou a atenção: a Padronização das barraquinhas de praia.

Se antes os guarda-sois alugados pelos ambulantes cadastrados eram das mais diversas marcas, hoje já não pode ser exibida marca nenhuma. Entretanto, porque essa proibição, se nos calçadões as mesmas (e outras) marcas já se exibem a tempos.....

E, mesmo com a proibição, o brasileiro dá um jeitinho .... Que o digam os guarda-sois da Skol, com a marc coberta por tarja preta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Voa Tempo

Esquecer o passado,
Escrever o futuro,
Sem ficar no muro 
E nem desesperar.

Guardar na memória,
Diversas histórias,
Momentos marcantes
Sem se deixar levar.

Seguir adiante,
com esse tempo galopante,
pois se ficar parado,
ultrapassado será

Tempo ligeiro, 
tudo muda o tempo inteiro
passageiro viajante,
ou ser realizante
só de ti dependerá.