domingo, 28 de setembro de 2008

Dominante e Recessivo

Essa semana eu fui colocar um celular no concerto. No momento em que estava sendo atendido, ao meu lado parou uma senhora com um neném que tinham olhos azuis e as atendentes estavam conversando sobre como seriam os filhos caso elas os tivessem com os atuais namorados. Começaram a pensar se teriam olhos verdes como os da atendente e/ou azuis como os de seu namorado. E eu ali, esperando ser atendido e querendo resolver o problema do meu celular.

Mas foi apartir dessa conversa que lembrei de quando estava no segundo grau (acho que foi no segundo grau), e aprendi sobre dominante e recessivo. No grau que estava a conversa, achei melhor não me meter, mas me deu uma vontade louca de explica-las que era impossível determinar isso agora porque tinhamos genes dominantes, recessivos e suas combinações davam as mais variadas formas.

Fui atendido, mas fiquei com isso na minha cabeça e fui para a aula. Sim, aula. E ao chegar foi fomentado por um texto que dizia que o neoliberalismo surgiu após, não só o acontecimento de várias crises, como o final do socialismo. E me perguntei - será que realmente o socialismo acabou ?! Será que chegamos ao final desse sistema ?! Que o socialismo foi somente um desvio na conjuntura política mundial ?!

Eu acho que não, e aí me veio na cabeça a questão do dominante e recessivo. É claro que o sistema socialista não se tornou dominante, mesmo que em alguns estados ele teve seu período de implementação, não chegou a ser uma unanimidade mundial. Entretanto, mesmo tendo sido recessivo, ele teve diversas coisas incorporadas aos sistemas dominantes que vivemos hoje em dia.

Se não tivesse existido um período socialista, com diversos países tentanto a sua implementação; hoje, mesmo nos sistemas atuais, não teriamos essa diversidade nos sistemas capitalistas, onde o povo ainda tem muito a conquistar, mas que muito já nos foi dado pelo medo dos próprios capitalistas de que o socialismo se tornasse hegemonico.

E foi onde eu pude perceber como é bom ser recessivo. Como é bom ser pequenininho, aquele que muitas das vezes não tem espaço, não tem vez, não tem oportunidade; porque num breve e determinado momento, se não tomarem cuidado, ele pode vir a tona. No caso dos genes, nunca um recessivo se tornaria dominante, mas no caso da política ....

P.S. - Inspiração no jeito CAMILINHA de escrever. Obrigado pela sua colaboração semanal.

Um comentário:

camila chaves disse...

aaah! enquanto eu lia esse texto, comecei a me sentir autora dele mas, ao mesmo tempo me desprender um pouco desta posição e tentar sentir o que as outras pessoas sentem quando lêem o início da relação de algo que, aparentemente, não possui relação alguma com determinado assunto. seja lá qual seja ele. o problema foi que não consegui me afastar tanto assim. loja de celular. conversa sobre filhos. aulas de biologia da escola. socialismo. hahaha. muito bacana. muito bacana, mesmo, tayago. obrigada pela homenagem. beijo e saudade de alguém que também acredita que o socialismo não acabou. (=