Pular para o conteúdo principal

POESIA - Escritos escrivinhados

Era um livro
escrito desde a infância
com palavras e poesia,
sonhos e fantasia.

Livro escrito a lápis
preto e colorido,
e com os vividos
outras tintas ao livro foram pintar.

Tinham muitas páginas
todas elas preenchidas
algumas nem muito bem escritas
mas era a vida a se desenhar.

Porém em momentos da vida,
eu esquecia de escrever.
O livro, fazia questão de perder
para momentos difíceis não registrar.

E a vida tem machucados
momentos muito amados
momentos mal amados
e momentos a se apaixonar.

Ao pegar novamente o livro
e abrir para escrever
qual foi minha surpresa ao ver
que ele começou a se apagar.

As cores voltaram ao lápis
os textos voltaram a mente
porém a vida
hoje novamente segue
mas por um caminho e com um fluxo um pouco mais diferente.

Comentários

Dalila Cardoso disse…
Belas palavras... parabéns!
Pri :) disse…
AMEEEEEEEI! Minha cara! Eu quero !
Suzane disse…
Que lindo...

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Borboletas no estômago

Eu não conhecia essa termologia,e a minha "filha" adotiva tentava me explicar ...
Ela dizia: Pay, não há explicação para essa sensação, é apenas deixar rolar e ver no que vai dar.
E eu louco de pedra, não entendia o rumo da prosa, e queria de pressa, sentir essa sensação.
Ela dizia: Pay, espere e verás, um dia acontecerás, e você vai ver que é muito bom.
E eu não entendia, não sabia o que ela dizia, porque não tinha sentido nada igual.
Ela dizia: Quando for algo verdadeiro, você vai ser o primeiro, a sentir esse voar.
Eu já resignado, esperava desolado, o momento de sentir.
Elas voaram dentro de mim, me fizeram alegres, feliz, meio assim ... As borboletas ocuparam o meu estômago e não quiseram sair.
E para sentir é necessário ser verdadeiro, digo que sinto e sou o primeiro, a novamente sentir algo assim, e desejo que, sem ser nada forçado, ela sinta isso junto a mim.

POESIA - Da linha ao Carretel

Da linha ao Carreteldo arco íris ao pote de mel da poesia ao bordel da terra ao céu.
Do mar ao luar Do café ao chá Do Maurício o Mattar o show não pode parar.
A vida continua O João caminha pela Rua O povo na luta continua e o frei Galvão cura.
Da menina eu quero um beijo Da vida um desejo Me divirto ao comer queijo E a morte não almejo

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.