Pular para o conteúdo principal

POESIA - Veja só você

Veja só você, 
a fonte secou, 
porque o Rio, alguém desviou,
para atender a um pedido, um favor,
em que todo mundo lucrou,
mas na sua casa, a água acabou. 

Veja só você, 
o bar fechou, 
a cachaça entornou
a fonte secou
porque o bate papo que antes era animado, 
triste ficou, na discussão em que todo mundo falou,
mas ninguém no outro pensou
na política o assunto focou
e por isso desandou.

Veja só você,
errado por lutar,
falso por brigar,
quando apenas quer melhorar,
mas não pode falar, 
pois já vem te amedrontar, julgar,
querendo saber de que lado você está
já que apenas foi reclamar

Veja só você,
que lembra com alegria, 
das noites e dos dias,
em que tudo era festa, fantasia,
e que agora só recebe notícia de babado e gritaria.

Veja só você

mas apenas veja, 
pois não pode mudar, transformar,
batalhar, lutar
afinal, nunca foi dono de lá
e não pode participar,
pois ninguém quer ajudar, 
se não for pra ganhar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.