Pular para o conteúdo principal

POESIA - Sem Cor

E as coisas iam perdendo a graça
e as coisas iam perdendo a cor
e o colorido se esvaia
e o céu ficava incolor.

Ele não tinha mais alegria,
em ver o por do sol,
em ouvir o barulho das ondas,
ou ganhar presente de natal.

Ele não mais compreendia,
o que estava fazendo ali,
era boi / gado de corte,
sendo preparado para o abate.

Ele queria sair do casulo,
mas quem disse que conseguia voar, 
ele queria era mudar de rumo, 
mas ardia como a lagarta.

Ele desejava coisas novas,
sonhava com outra cor,
porém so levava em si
as faltas e o ardor.

E as coisas iam perdendo a graça
e as coisas iam perdendo a cor
e o colorido se esvaia
e o céu ficava incolor.

O riso já não mais tinha
e nem forçado conseguia sorrir,
os olhos sempre marejados,
o choro sempre há de vir.

As dores eram diárias,
tinham início, mas nunca fim
os sonhos, imaginários
o fizeram ficar assim.

E as coisas iam perdendo a graça
e as coisas iam perdendo a cor
e o colorido se esvaia
e o céu ficava incolor.

Não atentou contra a própria vida,
pois isso não garantia o céu,
mas ao não ter alegria,
morto estava, entregue ao leu.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Caminhar

Caminhar
Nada mais é do que seguir,
as vezes se sabe para onde vai,
e as vezes não se imagina onde quer chegar.


Caminhar
seja a passos largos ou curtos,
dados para a frente, para o lado ou para trás,
é o que nos faz mais.


Caminhar
na confiança e com dedicação
as vezes torto, as vezes com exatidão
sempre buscando a retidão.


Caminhar
para seguir em frente
é preciso caminhar
e confiar que dias melhores virão.