Pular para o conteúdo principal

POESIA - Triste fim

Era um banco de praça
e lá estava ele sentado.
Quieto, calado,
mãos no rosto, esfregava os olhos,
parecida desolado.


Era um banco de praça
e eu o olhava de longe
aos seus pés tinha uma bolsa
de alças compridas e grande


E a distancia que antes existia,
quando me dei conta acabou
estava me sentando ao seu lado
e perguntando o que ocorreu.


E foi então que copiosamente
ele chorou
mas eu não via machucado,
nem dor,
então não via motivos


Mas sei respeitar o choro dos outros
e fiz mensao de levantar
foi quando ele segurou em meus braços
e começou a me explicar.


Ele disse:


Hoje em dia não existe amor
existem paixões, ficadas, sexo,
mas não existe amor.


Quando eu comecei,
tudo era diferente,
existia amor em tudo
e a sociedade era mais "envolvente"


Hoje, não existe amor
não existe amar
e se temos sentimentos
não sabemos expressar


E por isso choro
e por isso lamento
estou ficando sem trabalho
e com isso me atormento.


Por fim compreendi
Ele era um carteiro lamento
pois sem amor
as pessoas não escreviam cartas
e sem elas ele não tinha trabalho.

Comentários

Caroline Coelho Mateus disse…
Linda poesia!
schela disse…
nossa amei essa poesia ....
Unknown disse…
Que linda poesia... Me emociono quando vejo que o mundo dos poetas é sempre bonito, as vezes triste e melancólico, mas é sempre bonito!

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.