Pular para o conteúdo principal

Primeira Vez ....

Gente ...
Estou muito feliz por ter contado com a ajuda de amigos para estar aqui postando pela primeira vez ...
São poucos os que sabem da dificuldade que foi para conseguir colocar esse blog no ar (e aqui agradeço a Camilinha pela paciência e compreensão, e a todos que, de alguma forma colaboraram com isso)

Falando sobre o blog:
Minha idéia aqui é falar sobre coisas ... qualquer coisa .... as coisas que cotidianamente me chamarem a atenção.

Então, não venham achando que todos os textos serão maravilhosos, pois mais que isso, o que pretendo com eles é levantar reflexões ...

Sintam-se todos beijados pelos textos que virão ....

Comentários

camila chaves disse…
ôoo tayago, estou feliz que este blog finalmente tenha saído. feliz por termos mais um espaço livre para falar sobre qualquer coisa e, por meio destas quaisquer coisas, trazer algumas reflexões. continuemos então a trocar idéias. tu daí, eu de cá e vezes por outra nos encontrando por aí por este país tão grande. abraços saudosos... da camilinha.

Postagens mais visitadas deste blog

POESIA - Como o clima

Olhe pela janelaVeja o tempo lá fora Viu ? É assim que está meu coração
Olhe o que cai do céu É água ? Lágrimas Geradas pela dor e desilusão
O cinza ? Solidão e dureza As mentiras que me contava Ofuscava o brilho do sol
Porém, De tudo tenho uma certeza a água lava as nuvens passam e meu céu voltará a brilhar
Cuide bem de ti que cuidarei bem do meu jardim.

POESIA - Mulher na Luta

Ela lavava a alma e trazia a calma,
necessária para viver;
ela lavava o corpo e trazia no rosto,
as marcas do que é ser;
era uma lutadora, sonhadora que,
nunca deixou de viver;
era doce e meiga, brava e possessa
não havia injustiça em seu ser.

Cidade ou campo, deserto ou floresta,
ela sabia se virar.
Claro ou escuro, dia ou noite,
e do açoite ela fugiu.
Era escrava branca e sinhá preta,
a inversão que nunca existiu

Mas meu peito chorou e partiu
quando sua boca se abriu,
e me disse que ia para a luta
me deixando um beijo e um 
eterno adeus.

POESIA - Eu senti

Eu senti
senti o baque, o choque, o golpe, 
a mão pesada, o não, o gole,
a dor, o desamor.

Eu senti,
tive paciência, 
mesmo na ausência,
e por obediência, 
esperei e não resisti.

Eu senti,
fome, frio, dor.
Abandono, desamor.
Eu senti.

Mas é preciso reerguer, 
olhar pra frente e viver
caminhar e não esquecer,
para novamente não sofrer.

Eu senti,
uma mão a me levantar,
e esperança renovar,
poder novamente voar.

Eu senti.
Senti que era hora. 
Ontem hoje, senão agora.
Não dá para esperar. 
Algo que já não demora

Eu senti.
E parti.